Brasil

Bolsonaro disse que não será cobrado por efeitos colaterais da vacina contra Covid-19

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que ele não deverá ser cobrado caso uma vacina contra a Covid-19 traga eventuais efeitos colaterais para a população. A fala de Bolsonaro foi realizada na última quarta-feira (2) e vai contra o contrato assinado pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) para o desenvolvimento da vacina da Universidade de Oxford. Isso […]

Gabriel Neves Publicado em 04/12/2020, às 08h09

Presidente Jair Bolsonaro (Foto: Reprodução/Marcos Corrêa)
Presidente Jair Bolsonaro (Foto: Reprodução/Marcos Corrêa) - Presidente Jair Bolsonaro (Foto: Reprodução/Marcos Corrêa)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que ele não deverá ser cobrado caso uma vacina contra a Covid-19 traga eventuais efeitos colaterais para a população.

A fala de Bolsonaro foi realizada na última quarta-feira (2) e vai contra o contrato assinado pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) para o desenvolvimento da vacina da Universidade de Oxford.

Isso porque no documento, a instituição que é vinculada ao Ministério da Saúde se compromete a arcar com todos os eventuais danos decorrentes do uso e administração do imunizante no Brasil.

Já o laboratório AstraZaneca, responsável pela vacina, ficará isento de responsabilidades.

Durante sua fala, Bolsonaro não se referiu a alguma vacina especifica, nem ao contrato firmado pela Fiocruz, apenas indagou seus simpatizantes sobre aceitarem ou não serem imunizados.

“Vamos supor que (em algum contrato) está escrito o seguinte: ‘nos desobrigamos de qualquer ressarcimento ou responsabilidade com possíveis efeitos colaterais imediatos ou futuros’. E daí, vocês vão tomar?”, questionou Bolsonaro.

“Eu vou mostrar todo o contrato para vocês. Quem tomar vai saber o que está tomando e as consequências. Se tiver um efeito colateral ou problema qualquer já sabem que não vão cobrar de mim. Vou ser bem claro, a vacina é essa”, complementou.

Jornal Midiamax