Brasil

Após ter alta negada, Bolsonaro deve ficar mais sete dias internado

Após apresentar quadro febril, o presidente Jair Bolsonaro teve alta adiada ontem (4), como estava previsto pelo corpo médico do Hospital Albert Einstein. Segundo o porta-voz da presidência Otavio do Rêgo Barros, ele foi submetido a tratamento com antibióticos, pois esse aumento de temperatura pode caracterizar contaminação infecciosa. De acordo com reportagem da Agência Brasil,...

Flávio Veras Publicado em 05/02/2019, às 07h57 - Atualizado às 09h03

Reprodução/Twitter
Reprodução/Twitter - Reprodução/Twitter

Após apresentar quadro febril, o presidente Jair Bolsonaro teve alta adiada ontem (4), como estava previsto pelo corpo médico do Hospital Albert Einstein. Segundo o porta-voz da presidência Otavio do Rêgo Barros, ele foi submetido a tratamento com antibióticos, pois esse aumento de temperatura pode caracterizar contaminação infecciosa.

De acordo com reportagem da Agência Brasil, o comunicado ainda informou uma elevação da temperatura corporal que chegou a 37,3 °C. Além disso, houve alterações de alguns exames laboratoriais, com aumento de leucócitos, na noite da última segunda-feira.

Como os antibióticos devem ser ministrados por sete dias, ele deve permanecer no hospital por mais este período, segundo o porta-voz.

Exames de imagem mostraram uma “coleção líquida” ao lado do intestino na região da antiga colostomia, segundo boletim médico divulgado há pouco. Ele foi submetido à punção guiada por ultrassonografia e permanece com dreno no local.

O presidente está internado em unidade de cuidados semi-intensivos do Hospital Israelita Albert Einstein e, no momento, está sem dor e sem febre. Ele permanece em jejum oral, com sonda nasogástrica e nutrição parenteral (endovenosa) exclusiva.

Uma evolução nos movimentos intestinais foi citada no boletim médico, que informou dois episódios de evacuação do presidente.

Bolsonaro segue realizando exercícios respiratórios e de fortalecimento muscular no quarto. Por ordem médica, as visitas permanecem restritas, ele está acompanhando da esposa Michelle e do filho Carlos Bolsonaro.

O presidente cotinua em descanso e tem sido evitados despachos, de acordo com Rêgo Barros. Nos próximos dias, não estão agendados compromissos oficiais. Por enquanto, não há estudos sobre afastamento de Bolsonaro da presidência, deixando o vice na função.

Os médicos ontem à noite, identificaram o aumento nos leucócitos, “imediatamente administraram antibióticos de amplo espectro de forma a atacar todas as possibilidades para uma eventual infecção”, disse Rêgo Barros. No entanto, ele disse que “quanto à cirurgia, não há nenhum aspecto negativo”.

Lei anticrime

O porta-voz disse que o projeto de lei anticrime apresentado hoje pelo ministro Sergio Moro só será apresentado ao Congresso Nacional após a recuperação do presidente Jair Bolsonaro. “O texto do projeto já havia sido apresentado e discutido pelo ministro com o presidente da República e agora está na Casa Civil para análise e envio ao Congresso Nacional”, disse.

Em relação às ações sobre o desastre em Brumadinho, ele afirmou que o comitê de gestão e avaliação de respostas a desastres do governo federal prossegue nos trabalhos de articulação dos esforços em apoio a Minas Gerais.

Rêgo Barros comentou o vazamento de uma das propostas para a reforma da Previdência. “O presidente não confirma enquanto não tiver um projeto fechado sobre a Previdência. Quaisquer ilações sobre temas que estão incertos inseridos nesse documento, como eu disse, são ilações”, disse.

(*) De acordo com informações da Agência Brasil.

Jornal Midiamax