Prédio vizinho ao que desabou é condenado

Defesa Civil condenou prédio por estragos na estrutura
| 03/05/2018
- 18:23
Prédio vizinho ao que desabou é condenado

Nesta quinta-feira (3), após modificar a estratégia de busca por desaparecidos no prédio que desabou no Largo do Paissandu, no Centro da capital paulista, o major do Corpo de Bombeiros que comanda as operações no local, informou que o prédio vizinho ao edifício também corre risco de desmoronar. De acordo com os técnicos da Defesa Civil, a estrutura está condenada, pois, também foi atingido pelo incêndio e, posteriormente apresentou rachaduras e um buraco se abriu na lateral.

De acordo com o G1, na quarta-feira (2), antes de sair um parecer oficial sobre as condições do prédio, os moradores das redondezas já falavam sobre o possível desabamento. A área próxima ao local foi isolada com a retirada de máquinas e bombeiros, contudo, na região onde estão os entulhos, os trabalhos seguem normalmente.

Por ter passado mais de 48 horas desde a tragédia, o Corpo de Bombeiros mudou a estratégia de buscas, agora elas estão sendo feitas com maquinário pesado e as buscas manuais foram encerradas. Duas escavadeiras, um trator e caminhões são usados na retirada dos destroços e os bombeiros trabalham apagando focos de incêndio que foram encontrados.

O capitão do Corpo de Bombeiros, Robson Mitsuo, que trabalha nas operações explica que o uso de máquina é aceito por ter passado mais de dois dias desde do desabamento. “Os objetivos continuam, mas a estratégia mudou. Já se passaram mais de 48 horas do início das buscas, protocolarmente é aceito o uso de maquinário pesado”, afirmou

O protocolo internacional em casos de desmoronamento diz que a chance de encontrar sobreviventes um dia após o fato varia entre 1% e 3% e, depois de dois dias as chances de encontrar pessoas vivas são mínimas.

Com informações do G1

Veja também

Uma das abas do portal, como de levantamento de preços, está temporariamente fora do ar

Últimas notícias