Brasil

Governo mantém leilão de distribuidora do Piauí, mas prorrogará outras cinco

A Cepisa foi a teve "maior procura", afirmou ministro do Planejamento

Folhapress Publicado em 16/07/2018, às 16h52

Ministro do Planejamento, Esteves Colnago (Foto: Divulgação)
Ministro do Planejamento, Esteves Colnago (Foto: Divulgação) - Ministro do Planejamento, Esteves Colnago (Foto: Divulgação)

O governo manterá o leilão da Cepisa, distribuidora de energia elétrica da Eletrobras no Piauí, para o próximo dia 26 de julho, e prorrogará para 30 de agosto o leilão das outras cinco distribuidoras subsidiárias da estatal que seriam originalmente ofertadas no fim deste mês, disse à Reuters em Madri o ministro do Planejamento, Esteves Colnago, nesta segunda-feira (16).

“Nós tínhamos duas opções: prorrogar as seis, esperando a lei passar ou (o que a gente está optando), manter o leilão das Centrais Elétricas do Piauí agora no dia 26”, disse Colnago, acrescentando que “as outras cinco vão ficar para um leilão no dia 30 de agosto”.

O novo prazo deve-se à necessidade de aguardar a aprovação no Senado de um projeto de lei visto como importante para viabilizar a venda das distribuidoras que operam na Região Norte e a uma decisão judicial específica que trava a venda da empresa que opera no Alagoas, a Ceal.

Na sexta-feira, a Advocacia-Geral da União e o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) recorreram ao TRF-2 (Tribunal Regional Federal da 2ª Região) para tentar derrubar decisão liminar da 19ª Vara Federal do Rio de Janeiro que suspendeu o leilão de venda da Amazonas Energia, Ceron, Ceal, Boa Vista Energia, Eletroacre e Cepisa.

Na avaliação do ministro, que participa da conferência Infraestrutura para a Integração da América Latina na Espanha, há “vários grupos” interessados na Cepisa que, dentre as seis companhias, foi a teve “maior procura”, inclusive pelos espanhóis.

Parâmetros Econômicos

O ministro também afirmou que o governo publicará na próxima quinta ou sexta-feira sua nova grade de parâmetros econômicos para 2018. Sem detalhar números, ele afirmou que a previsão de expansão para o PIB (Produto Interno Bruto) ficará próxima à do mercado, hoje em torno de 1,5%.

Colnago também disse que a greve dos caminhoneiros limou um trimestre de crescimento econômico do país, retirando de 0,7 a 0,8 ponto percentual da expectativa para a atividade que o governo tinha anteriormente.

O próprio Ministério da Fazenda, que chegou a falar em crescimento de 3% neste ano, agora calcula expansão de 1,6%, mesmo cenário do Banco Central.

Após o Congresso ter derrubado do projeto de LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) de 2019 trecho que proibia a concessão de novos aumentos ao funcionalismo público no ano que vem, Colnago afirmou que o governo irá propor que os aumentos já autorizados sejam postergados em um ano dentro de esforço fiscal para o próximo exercício.

“O que eu vou propor para o presidente (Michel Temer) é para aqueles que já havia uma proposição de aumento, você não dá em 2019, dá em 2020”, disse.

Jornal Midiamax