Brasil

‘Não foi jogada de marketing’, diz menino do Acre sobre desaparecimento

Estudante disse que  objetivo era que as pessoas adquirissem conhecimento

Joaquim Padilha Publicado em 14/08/2017, às 11h30

None

Estudante disse que  objetivo era que as pessoas adquirissem conhecimento

O mistério do desaparecimento do estudante de psicologia Bruno Borges, popularmente conhecido como “menino do Acre”, chegou ao fim com seu retorno para casa na última sexta-feira (11). Bruno nega que tenha sido tudo uma jogada de marketing, como concluíram os policiais que investigaram seu sumiço.  

O estudante deixou quatorze livros em seu quarto escritos em linguagem criptografada antes de desaparecer. O primeiro deles, chamado “Teoria da absorção do conhecimento”, já foi lançado, e é um dos vinte mais vendidos no Brasil na categoria “não-ficção”.

Em entrevista ao programa Fantástico neste domingo (13), Bruno afirmou que não desapareceu para promover seus livros. “Tudo que fiz foi com o objetivo principal de estimular as pessoas a adquirirem conhecimento, e a medida que a gente vê as pessoas buscando esse conhecimento, a gente vê que deu certo”. 

Bruno disse ter se arrependido de ter sumido da família sem avisar, mas não revelou onde permaneceu escondido. “Eu estive em meio à natureza. Toda parte do isolamento, eu não vou falar, mas eu fiz um estudo para saber o que eu iria precisar para me manter no lugar”.'Não foi jogada de marketing', diz menino do Acre sobre desaparecimento

“Pensei que, com tudo o que eu tinha deixado, todo mundo saberia que eu me isolei para buscar a verdade da vida. O fato de eu ter me isolado foi para encontrar uma verdade dentro de mim que eu estava precisando encontrar. Eu estava precisando renascer”, disse o jovem.

Antes de desaparecer, Bruno teria assinado um contrato para a publicação de seu primeiro livro, deixando parte dos lucros para dois amigos e um primo, que o emprestou R$ 20 mil, enquanto a família arcou com os custos por toda a publicação.

O estudante diz que fez essa divisão para agradecer aos amigos e ao primo. “O trabalho deles foi muito importante para realizar meu sonho”, disse. Bruno diz que ainda planeja escrever mais livros, como forma de ajudar as pessoas a adquirir conhecimento.

Jornal Midiamax