Brasil

Acumulador criava porca em laje em meio a outros animais e muita sujeira

Saudável, o animal foi deixado para adoção

Tatiana Marin Publicado em 06/01/2017, às 22h09

None
captura_de_tela_inteira_06012017_110806.bmp_.jpg

Saudável, o animal foi deixado para adoção

Um mutirão de limpeza em São José do Rio Pardo, município do interior de São Paulo revelou uma situação curiosa. Uma porca estava sendo criada em uma laje. No imóvel havia ainda outros animais como cães e patos, além de muita sujeira.

A prefeitura da cidade suspeita que o proprietário do imóvel sofra de transtorno da acumulação e informou que ele passará por acompanhamento, informou o G1.

O animal era mantido no forro da casa, que estava cheio de insetos. A porca estava no cômodo há cerca de oito meses e foi retirada por funcionários do Departamento de Zoonoses com a ajuda de cordas e foi levada temporariamente para um sítio.

"Precisou de quatro homens para tirar esse animal do telhado, um animal já de 40 kg, uma altura de 2,80 metros, foi bem difícil mesmo de fazer a retirada", contou o diretor de Meio Ambiente, Samuel Folchetti ao G1.

"[Havia] muita sujeira em cima da laje, inclusive escorrendo na cama onde essa pessoa dormia, então era uma situação muito desagradável para a pessoa e para as pessoas em volta", completou. Segundo a avaliação de um veterinário, a porca tem cerca de um ano de idade e está bem de saúde.

Acumulação

O dono da propriedade é um catador de recicláveis, que foi visitado pelos funcionários que atuam no trabalho de revitalização de Rio Pardo. "Fazendo a limpeza da calçada a gente se deparou com uma quantidade muito grande de entulho e sujeira, e aí dedicamos ali um tempo maior justamente para a retirada desse material", contou Folchetti.

Até o momento, nove caminhões de lixo e entulho foram retirados do local. De acordo com informações do G1, suspeita-se de que o catador tenha um transtorno mental chamado de acumulação compulsiva. Ele foi avaliado por psicólogas do Departamento de Assistência Social e deve ser encaminhado para tratamento, um alívio para a família.

"É preocupante pela saúde dele também, porque mora do lado. A gente vê ele assim e não tem como fazer nada. Eu espero que internem ele, que ele passe por psicólogo, psiquiatra, que ele faça um tratamento para melhorar porque ele não pode viver nessas condições", disse a doméstica Madalena Morandi, cunhada do catador, ao G1.

Animais

Além da porca, a prefeitura resgatou também três cães que estavam amarrados em um cercado cheio de lixo e um rato morto. Dois deles já foram castrados e estão em um canil do município, para onde o terceiro também será levado. Eles foram  examinados por uma veterinária, estão bem de saúde e, como a porca, poderão ser adotados.

Jornal Midiamax