Brasil

Um terço dos brasileiros concorda que a culpa por estupros é das vítimas, aponta pesquisa

37% acham que "mulheres que se dão respeito não são estupradas"

Norberto Liberator Publicado em 21/09/2016, às 11h53

None
estupro.jpg

37% acham que "mulheres que se dão respeito não são estupradas"

Mais de um terço dos brasileiros acredita que estupros são culpa das vítimas. É o que diz a pesquisa mais recente do FBSP (Fórum Brasileiro de Segurança Pública), feita pelo instituto Datafolha, com 3.625 pessoas em 217 cidades do País. Dos entrevistados, 37% concordam com a frase “mulheres que se dão ao respeito não são estupradas”.

Entre homens, o percentual é de 42%. Outros 30% defendem que “mulheres que usam roupas provocativas não podem reclamar se forem estupradas”.

Além disso, 65% da população diz ter medo de ser vítima de violência sexual. No nordeste, a porcentagem entre mulheres é de 90%.

De acordo com a revista Exame, o receio de passar por tal tipo de violência diminui conforme aumenta a idade das pessoas entrevistadas. Entre a população mais jovem, o medo de sofrer estupro é de 75%.

O Correio Braziliense lembra que os debates a respeito do tema se intensificaram desde o estupro coletivo de uma adolescente, em maio, no Rio de Janeiro. O jornal também destaca o nome da pesquisa: #ApolíciaPrecisaFalarSobreEstupro.

O vice-presidente do FBSP, Renato Sérgio de Lima, disse em entrevista ao periódico de Brasília que a informação era esperada, apesar de preocupante.“Para mim, como homem, fico extremamente incomodado ao saber que quase metade dos meus pares não vê a mulher como um ser que tem direitos sobre suas vontades e, principalmente, sobre seu próprio corpo. É um dado muito perverso”, afirma.

A doutora em Direito pela UnB (Universidade de Brasília) Soraia Mendes ressalta que não existem circunstâncias em que a vítima possa ser considerada culpada. “É impressionante que essa cultura da culpabilização da vítima ainda permaneça. A vítima é sempre vítima, não importa aonde ela esteja ou o que ela esteja usando”.

Jornal Midiamax