Brasil

Presidente diz que juiz de primeira instância não poderia autorizar operação no Senado

Para Renan Calheiros, apenas STF teria esse poder

Midiamax Publicado em 24/10/2016, às 21h37

None
renan.jpg

Para Renan Calheiros, apenas STF teria esse poder

O presidente do Senado, Renan Calheiros anunciou nesta segunda-feira (24) que questionará no STF (Supremo Tribunal Federal) "o limite entre os Poderes". Para ele, somente o STF poderia autorizar uma operação da Polícia Federal no Senado e não um juiz de primeira instância.

As falas, segundo a Agência Senado, são em resposta a Operação Métis, feita pela Polícia Federal na última sexta-feira (21), quando quatro policiais legislativos acabaram presos. Eles são suspeitos de prestar serviço de contrainteligência para ajudar senadores investigados em operações da PF, como a Lava Jato.

Além de defender que apenas o STF teria jurisdição sobre a Casa, Renan pediu “prudência” sobre a operação. "Agi da mesma forma em todos os momentos em que se cometeram abusos e excessos", declarou. "Não me elegi presidente do Senado para ter medo, medo não ajuda em nada", completou o senador, segundo a

Na sexta-feira, após a operação, Renan já havia se manifestado por meio de n nota oficial. "Convém reiterar que Polícia Legislativa exerce suas atividades dentro do que preceitua a Constituição, as normas legais e o regulamento administrativo do Senado Federal", dizia a nota assinada pelo senador.

Operação Métis

Foram presos preventivamente quatro policiais do Senado Federal nesta sexta-feira (21): Everton Taborda, Geraldo Cesar de Deus, Antonio Tavares e Pedro Ricardo Carvalho. Este último é também diretor da Polícia do Senado.

A investigação apura se ao realizarem varreduras na casa de parlamentares, os policiais legislativos teriam atrapalhado as investigações da Policia Federal, durante a Operação Lava-Jato.

A polícia legislativa é responsável por fazer a segurança dos parlamentares, além de prevenir e apurar infrações nas instalações do Congresso Nacional.

Jornal Midiamax