Brasil

Homem é solto após ficar quase 20 anos acorrentado pela família em São Paulo

Rapaz de 36 anos estava desaparecido havia duas décadas

Henrique Kawaminami Publicado em 24/10/2016, às 14h19

None
646413-400x600-1.jpg

Rapaz de 36 anos estava desaparecido havia duas décadas

Um homem de 36 anos foi resgatado pela Polícia Civil na manhã da última quinta-feira (20) na cidade de Guarulhos, São Paulo. Segundo os vizinhos, a vítima teria sofrido maus tratos por quase 20 anos.

Segundo informações da Folha de SP, policiais faziam uma operação de suspeita de tráfico de drogas, quando encontraram o cativeiro por acaso. Segundo os vizinhos, os policiais encontraram a vítima acorrentada na cama, com barba na altura do umbigo, repleta de fezes. O homem seria mantido acorrentado parte do tempo, sem lençóis ou cobertor.

O homem encontrado seria Armando Bezerra de Andrade. Os vizinhos suspeitam que a madrasta que é enfermeira, dopava o enteado para mantê-lo calmo.

O jardineiro João Batista, de 58 anos, conta que viu Armando e sua família chegando no bairro há cerca de 30 anos. O menino, ainda com 6 anos, era muito educado, e mais sociável que o filho de sua madrasta.

“O Armandinho cresceu e vivia sentado aqui na frente de casa conversando comigo e com todos os vizinhos. Era um bom menino, mesmo quando a madrasta batia nele na frente de todos”, contou.

João conta que quando Armandinho era adolescente, ele sumiu. Ao perguntar dele, o pai dizia que ele estava no interior, depois, em Pernambuco. “Sempre uma história diferente, mas que ele estaria bem”.

Fuga

Após a revelado o caso, vizinhos picharam os muros da casa com as escritas: “Justiça”, “Três Safados”, e “#armandinho”.

Dois dias depois de quando Armandinho foi libertado pela Polícia Civil, um caminhão de mudanças encostou na casa da família. Um deles seria o filho da madrasta. “Pra quê tudo disso?”, teria dito o rapaz, ao ver a multidão que o cercava. Os vizinhos tentaram impedir a “fuga” da família, mas não conseguiram.

A Polícia Civil disse que está apurando o caso.

Jornal Midiamax