Brasil

Com autorização da Justiça, Bumlai é internado para realizar exames em Curitiba

Pecuarista teve crise de pressão alta e desmaio

Ana Paula Chuva Publicado em 24/10/2016, às 19h08

None
bumlai.jpg

Pecuarista teve crise de pressão alta e desmaio

@page { margin: 2cm } p { margin-bottom: 0.25cm; line-height: 120% } a:link { so-language: zxx }

Preso em Curitiba, o pecuarista sul-mato-grossense, José Carlos Bumlai foi internado no Hospital Santa Cruz para fazer uma bateria de exames, na manhã desta segunda-feira (24). A internação foi à pedido da defesa alegando que ele sofre de pressão alta, e estaria sentindo tonturas e teve desmaios no presídio.

Bumlai, que é amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, permanecerá internado sob escolta da PF (Polícia Federal) no hospital até esta terça-feira (25), segundo informações do G1.

Condenado a nove anos de prisão por corrupção passiva e gestão fraudulenta, na Operação Lava Jato, pecuarista chegou a cumprir pena em casa, mas retornou à prisão após tratamento contra um câncer na bexiga. Está detido, atualmente, no CMP (Complexo Médico-Penal) em Pinhais, região metropolitana de Curitiba.

Condenação

José Carlos Bumlai foi condenado pela participação, obtenção e quitação fraudulenta do empréstimo no Banco Schahin de R$ 12 milhões, em 2004, e pela participação, solicitação e obtenção de vantagem indevida no contrato entre a Petrobras e o Grupo Schahin para a operação do Navio-Sonda Vitória 10.000.

Na mesma sentença, o juiz também condenou o empresário Fernando Antonio Falcão Soares, o Fernando Baiano, o ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT) João Vaccari Neto, e outros cinco réus do processo.

Moro destacou que o empréstimo de R$ 12 milhões foi fraudulento e que o real beneficiário dos valores foi o Partido dos Trabalhadores (PT). "Não há divergência, nas confissões, quanto a isso e a prova documental e testemunhal já revela o fato".

O juiz afirmou ainda que o PT utilizou Bumlai como pessoa interposta e os valores para realizar pagamentos a terceiros de seu interesse.

"Isso é afirmado não só por acusados que celebraram acordo de colaboração premiada, como Salim Taufic Schahin, como por acusados que não dispõe de qualquer acordo, como o próprio José Carlos Costa Marques Bumlai", declarou o magistrado.

Jornal Midiamax