Brasil

Zeladora é autuada por furto em RR ao comer chocolate de delegado

Zeladora foi flagrada em sala por câmeras

Gerciane Alves Publicado em 06/10/2015, às 20h39

None
bombons-de-chocolate.jpg

Zeladora foi flagrada em sala por câmeras

Uma zeladora de 32 anos foi autuada em flagrante por furto qualificado depois de ser filmada comendo o chocolate de um delegado de polícia em Roraima. O caso aconteceu dia 30 de setembro. A mulher trabalha para uma empresa terceirizada e admitiu ter comido o chocolate que estava em cima da mesa do delegado quando ele estava ausente.

“Estava limpando a sala dele e tinha uma caixinha cheia de bombons sobre a mesa. Peguei um e pensei comigo mesma: depois falo para ele, porque não vai ‘fazer questão’ de um bombom. Comi o chocolate na sala. Terminei a limpeza e saí. Não sei porque comi. Não tenho o costume de pegar ‘coisas’ dos outros, nunca mexi em nada. Não é porque uma pessoa é de uma família pobre que ela vai sair pegando as coisas dos outros “, relata.

A zeladora conta ter saído do prédio da Polícia Federal para resolver problemas pessoais e, ao retornar, foi abordada por um escrivão, que a chamou para ser ouvida. Ao ser levada à sala do delegado Cascardo, a zeladora foi questionada sobre o bombom que estava na mesa. “Eu admiti ter comido. Me questionou onde estava a embalagem e o levei até a lixeira. Revirei o lixo e encontrei o papel do bombom. Me ofereci para pagar o chocolate, mas o delegado disse que não era essa a questão. Ele disse que assim como eu tinha pegado o bombom, poderia ter sido um documento. Jamais pegaria”, sustenta.

A zeladora foi à empresa onde trabalha e ficou sabendo que um servidor da PF havia ligado para a proprietária pedindo a demissão dela por justa causa.

“Falaram que eu estava roubando a Polícia Federal. A minha patroa contou que durante o telefonema esse servidor chegou a afirmar que eu deveria ter saído do prédio algemada e direto para a penitenciária”, resume. “Eu tenho quatro filhos pequenos, posso perder meu emprego, ficar com o meu nome sujo. Como é que as pessoas vão me ver agora? Estou constrangida, envergonhada”, assume.

Abuso de poder

O MPF (Ministério Público Federal) em Roraima informou nesta terça-feira (6) que vai investigar se houve abuso de autoridade no caso. Segundo nota do MPF, a autuação da zeladora, de 32 anos, ainda não foi oficialmente comunicada à procuradoria, mas “tão logo tome conhecimento do fato, o órgão, na qualidade de titular da ação penal e responsável pelo controle externo da atividade policial, analisará o caso em todos os seus aspectos, inclusive no tocante a possível abuso de autoridade”.

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Roraima (OAB-RR), Jorge Fraxe, repudiou a atitude do delegado e defendeu que ele agiu de forma ‘desproporcional’.

“Se ele [delegado] tivesse se sentido lesado, a apuração teria de ser feita no âmbito da Polícia Civil, porque a zeladora não é servidora da Polícia Federal e não tem foro especial. Agora, ele usar a estrutura da PF, que serve para investigar desvios de condutas da própria instituição, contra essa moça é um absurdo, é desproporcional e desnecessário”, avalia.

Jornal Midiamax