Brasil

RJ: comandante do Choque é exonerado após mensagens nazistas

Coronel comandante do Bope foi exonerado do cargo após mensagens de cunho nazista

Midiamax Publicado em 06/01/2015, às 00h52

None

Coronel comandante do Bope foi exonerado do cargo após mensagens de cunho nazista

O secretário de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, confirmou nesta segunda-feira (5) a exoneração do coronel Fábio Almeida de Souza do cargo de comandante do Batalhão de Choque da Polícia Militar. A decisão vem depois que mensagens de cunho nazista de um grupo do WhatsApp do qual ele era interlocutor vieram à tona em publicação da revista Veja.

 “Fiquei horrorizado”, disse Beltrame em entrevista ao diário O Globo sobre as mensagens do grupo fechado. Além da exoneração, o coronel e outros policiais membros do grupo já depuseram na qualidade de testemunha ao Inquérito Policial Militar (IPM) instaurado para averiguar a denúncia.

Em 2013, ano de manifestações por todo o Brasil, Fábio de Souza, na época à frente do Bope, foi acusado de incitar a violência contra os manifestantes. Em uma das mensagens compartilhadas no grupo, teria dito para atirar em um black bloc “para matar”.

Após deixar o cargo em função disso, ele foi substituído pelo tenente-coronel Márcio Rocha e passou a chefiar a guarda pessoal do secretário Beltrame – que diz que a conduta do oficial, até então, era ímpar e não existia nenhum tipo de inquérito sobre sua atuação.

Em janeiro do ano passado, a casa de Rocha foi atingida por diversos disparos de arma de fogo. Nesta investigação, o coronel exonerado também é investigado, uma vez que Rocha era muito criticado pelo mesmo grupo fechado de mensagens online.

Jornal Midiamax