Brasil

PF investiga propina de R$ 26 milhões para grupo de Collor

Grupo ligado diretamente ao senador estaria movimentando dinheiro do esquema de corrupção da Petrobras

Clayton Neves Publicado em 05/08/2015, às 10h40

None
fernandocollorabr.jpg

Grupo ligado diretamente ao senador estaria movimentando dinheiro do esquema de corrupção da Petrobras

Policiais participantes da Operação Lava Jato investigam envolvimento de  um grupo ligado ao ex-presidente e senador Fernando Collor (PTB-AL) no esquema de corrupção da Petrobras, entre os anos de 2010 e 2014. Segundo informações do jornal Folha de S. Paulo, o grupo envolvia assessores do Senado, colaboradores, empresas em atividade e outras suspeitas de serem de fachada e teria movimentado cerca de R$ 26 milhões no período.

De acordo com as investigações, as fontes dos repasses eram contratos de troca de bandeira de postos de combustível celebrado entre a Petrobras Distribuidora e a DVBR Derivados do Brasil. Um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) identificou operações suspeitas nas contas pessoais de Collor de R$ 798 mil, entre 2011 e 2013. Os depósitos seriam de autoria do doleiro Alberto Youssef, delator do esquema.

Segundo a Polícia Federal, os três carros de luxo apreendidos na Casa da Dinda no mês passado – uma Ferrari, um Porsche e uma Lamborghini– foram comprados com operação de lavagem.

O ex-presidente pediu para reaver a posse dos veículos, mas as investigações apontam que eles podem ser produtos de crimes. Os automóveis estão em nome de empresas, incluindo uma que tem o senador como sócio.

Um dos carros, o Lamborghini, já está com parcelas em atraso. Segundo a Lava Jato, o carro foi comprado por R$ 3,2 milhões, sendo que R$ 1,2 milhão foi paga em dinheiro vivo.

Procurada pelo jornal, a assessoria de Collor disse que a Água Branca, empresa proprietária de um dos automóveis, é “regularmente constituída e declarada à Receita Federal junto com os seus bens”. O senador ainda nega qualquer vínculo com irregularidades ligadas à corrupção na Petrobras e acusa o Ministério Público Federal de perseguição.

Jornal Midiamax