Brasil

Ministério do Trabalho reativa central de atendimento telefônico Agencia Brasil

O ministério vai investir na central Alô Trabalho R$ 14,4 milhões por ano

Diego Alves Publicado em 30/04/2015, às 20h33

None
telefone.jpg

O ministério vai investir na central Alô Trabalho R$ 14,4 milhões por ano

O Ministério do Trabalho reativou hoje (30) a central de atendimento telefônico 158. Nela, o trabalhador poderá obter informações sobre como solicitar o Seguro-Desemprego e o Abono salarial, além de esclarecer dúvidas sobre a legislação trabalhista e tirar a segunda via de documentos. O empregador também poderá usar a ferramenta para tirar dúvidas, por exemplo, sobre o preenchimento do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).

O ministério vai investir na central Alô Trabalho R$ 14,4 milhões por ano. O call center terá capacidade para atender simultaneamente 157 ligações. O contrato prevê atendimento diário de 26,7 mil usuários e mais de 580 mil chamadas por mês. Além de obter informações, pelo número 158 também será possível agendar atendimento nos postos do Ministério do Trabalho.

Após quase dez anos desativado, a central Alô Trabalho substitui o antigo serviço de atendimento por telefone disponível ao trabalhador, agora com mais interatividade e opções de atendimento, segundo o órgão. A ligação para o 158 será gratuita para chamadas originadas de telefones fixos e poderá ser feita de qualquer lugar do país. Ao ligar para a central, o trabalhador ou o empregador ouvirá, inicialmente, um menu com opções pré-gravadas. O serviço eletrônico funcionará 24 horas por dia, todos os dias da semana.

Se o atendimento eletrônico não for suficiente, o usuário poderá falar com um atendente. Essa equipe estará disponível de 7h às 19h, de segunda-feira a sexta-feira. “O principal foco do Ministério do Trabalho é o Trabalhador. Com a central queremos melhorar, agilizar e ampliar a nossa capacidade de atendimento aos usuários, trabalhadores, empresas e órgãos de classe em todo o país”, disse o responsável pela central Edson Luis Gonçalves.

Jornal Midiamax