Impacto de nova taxa de retorno nos pedágios será mínimo, diz secretário

O secretário evitou adiantar os valores 
| 11/07/2015
- 05:40
Impacto de nova taxa de retorno nos pedágios será mínimo, diz secretário

O secretário evitou adiantar os valores 

A mudança nos parâmetros da taxa interna de retorno das rodovias federais a serem leiloadas terão impacto mínimo nos pedágios, informou hoje (10) o secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Paulo Corrêa. Segundo ele, as simulações da equipe econômica indicaram que o aumento do custo médio ponderado de capital, de 7,2% para 9,2% ao ano, não terá grande interferência nas tarifas finais.

“Fizemos simulações, mas a tarifa máxima não ficou maior que a anterior. A diferença não é muito grande. Estamos confortáveis em dizer que preço continua acessível para o motorista, com um aumento nada desproporcional”, disse Corrêa.

O secretário evitou adiantar os valores das tarifas máximas estimadas, mas explicou como a simulação foi realizada. Segundo ele, os técnicos da Secretaria de Acompanhamento Econômico (Seae) pegaram um dos trechos de rodovias federais a serem leiloados este ano e calcularam o máximo para o custo médio ponderado de capital em 7,2% e em 9,2% ao ano.

O aumento do custo médio ponderado de capital levará taxas internas de retorno (TIR) mais altas para consórcios vencedores dos leilões. Apesar de reconhecer que o aumento da TIR atrairá mais concorrentes para rodovias menos movimentadas, o secretário explicou que o governo apenas fez uma atualização de cálculo em relação à TIR anterior, que estava congelada desde 2007 e foi usada em todos os leilões de rodovias federais até agora.

“Fizemos apenas a atualização de um cálculo anterior que estava parado desde 2007. A metodologia não mudou. Usamos a metodologia conhecida internacionalmente e aceita pelos órgãos de controle”, esclareceu Corrêa. Ele classificou de formalidade a atualização do cálculo.

Com valor geralmente próximo do do custo médio de capital, a TIR pode ser definida como a taxa que remunera o risco do investidor que deixa de aplicar o dinheiro em títulos do Tesouro norte-americano, considerados os investimentos mais seguros do mundo, para atuar em outros projetos. No modelo de concessão de rodovias, quanto maior a TIR maior o preço máximo do pedágio.

Para atualizar o custo médio de capital, o Ministério da Fazenda levou em conta quatro parâmetros: a remuneração média dos títulos públicos norte-americanos nos últimos 20 anos, o prêmio médio de risco de mercado, o risco Brasil (diferença entre os juros dos títulos da dívida externa pública brasileira) e a inflação média nos Estados Unidos entre 1995 e 2015.

Apesar da tarifa máxima mais alta, as concessionárias vencedoras não necessariamente cobrarão pedágios mais caros que o de rodovias já leiloadas. Isso porque, no modelo de concessão de rodovias, vence quem oferece a tarifa mais baixa. A maior taxa de retorno, no entanto, atrai mais concorrentes aos leilões.

Veja também

Declaração foi dada por Lula em um evento em Fortaleza, no Ceará, no final do mês passado

Últimas notícias