Brasil

Galvão Bueno aparece em telão e é vaiado no Rio Open

O público vaiou em peso, mas o narrador sorriu e levou os apupos com bom humor

Diego Alves Publicado em 22/02/2015, às 22h57

None

O público vaiou em peso, mas o narrador sorriu e levou os apupos com bom humor

No dia das decisões, o telão da quadra central do Rio Open mostrava as celebridades que estavam assistindo às finais quando Galvão Bueno, locutor da Rede Globo, apareceu ao lado da mulher Desiree. O público vaiou em peso, mas o narrador sorriu e levou os apupos com bom humor. Cacá Bueno, piloto e filho de Galvão, também estava na partida.

Gustavo Kuerten, maior tenista da história do Brasil, acompanhou a partida ao lado de outros ícones do esporte: o nadador Cesar Cielo, o ex-judoca Flávio Canto, o jogador de vôlei de praia Emanuel, a ex-líbero Fabi e a tenista Teliana Pereira.

Artistas também marcaram presença na arena, dentre eles o músico Toni Belotto e sua mulher, a atriz Malu Madder. A top Izabel Goulart era outra celebridade no local.

No prejuízo, cambistas põem a culpa em Rafael Nadal

Os ingressos para a final do Rio Open estavam esgotados, mas era possível ver lugares vazios na quadra central durante a partida entre o espanhol David Ferrer e o italiano Fábio Fognini. E onde estariam esses ingressos? No posto de gasolina ao lado de uma das entradas do torneio, nas mãos de cambistas: “o Nadal nadou no jogo e nós vamos morrer com os ingressos na mão”, lamentou um dos vendedores irregulares, que não quis se identificar.

A reportagem do Terra chegou a ter em mãos um dos ingressos mais caros do torneio, de R$ 460. A proposta veio do cambista: “diz quanto você quer me pagar e leva agora. De qualquer maneira já perdi mesmo”, afirmou. Sem Rafael Nadal na final (perdeu na semifinal de sábado para Fognini), quem poderia se interessar por um ingresso de última hora não apareceu.

Cerca de 15 cambistas fizeram do posto de gasolina seu entreposto comercial durante o torneio. A polícia chegou a fazer um batida no local mas não conseguiu apreender nenhum ingresso. “Escondemos o ingresso na cueca e aí a polícia não mete a mão”, contou outro cambista. Um terceiro mais revoltado com o baixo retorno que teve a revenda no torneio, colocou toda a culpa em Nadal: “quem mandou ir para o carnaval com Guga. Aí não teve pernas para chegar na final.”

Jornal Midiamax