Brasil

Dura, Dilma cobra fidelidade de sua base em reunião

O que o governo quer é um cenário diferente 

Diego Alves Publicado em 09/10/2015, às 00h09

None
e80z1g6lqtcwzuwah5xvhx3fr.jpg

O que o governo quer é um cenário diferente 

O novo ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, disse nesta quinta-feira (8) que o governo passará a monitorar de forma mais “precisa” as votações na Câmara e no Senado. Depois de ter contemplado na reforma ministerial partidos da base aliada, principalmente o PMDB com pastas na esplanada, o governo espera que as bancadas entreguem a fidelidade.

O que o governo quer é um cenário diferente do que foi experimentado nesta semana, quando aliados não compareceram à sessão do Congresso destinada a votar os vetos da presidente Dilma Rousseff a projetos que aumentam despesas do governo.

O episódio, de acordo com Wagner, serviu para mostrar que era necessário acertar a relação com aliados. “É necessário que os senhores ministros cobrem de suas bancadas a sustentação do governo”, disse o ministro após a primeira reunião depois da reforma ministerial, anunciada no início da semana.

No encontro, o recado foi passado pela presidente Dilma Rousseff, que deixou claro que “surpresas como o quórum da sessão do Congresso” da última quarta-feira (7), não serão admitidas.

Jornal Midiamax