Brasil

Boliviano é preso com 53 porções de droga no estômago na fronteira de MT

Ele foi levado para hospital e exame identificou a pasta base de cocaína

Clayton Neves Publicado em 19/05/2015, às 17h30

None
boliviano_preso_2.jpg

Ele foi levado para hospital e exame identificou a pasta base de cocaína

Um boliviano foi preso nesta segunda-feira (18) ao entrar no país com 53 porções de pasta base de cocaína no estômago. Ele passava de táxi pelo Distrito de Corixa, em Cáceres, a 220 km de Cuiabá, na divisa com a Bolívia, quando foi abordado por policiais militares do Grupo Especial de Segurança de Fronteira (Gefron).

Nesse trecho, na BR-070, existe uma barreira sanitária do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Gosso (Indea) para evitar a entrada de gado sem vacinação.

O boliviano apresentou dois nomes diferentes aos policiais, sendo que um deles constava no documento falso. Segundo a polícia, ele disse que seguia para Cáceres para visitar uma sobrinha que estava doente.

Os policiais notaram que o estômago dele estava alto e o encaminharam para o hospital regional de Cáceres. Na unidade, o boliviano passou por exames.

Primeiro, foi feito um raio-X, que não apontou nenhuma anormalidade. Mas, depois, foi submetido a um exame de tomografia que identificou a existência da droga.

Somadas, as cápsulas armazenavam mais de um quilo de pasta base de cocaína.  Para que a droga fosse expelida, foi dado laxante para o homem.

Polícia Federal
A Polícia Federal foi acionada para atender a ocorrência. Ao verificar o banco de dados, a PF conseguiu descobrir o nome verdadeiro do boliviano. Também foi constatado que ele é natural de Cochabamba, na Bolívia.

Conforme a polícia, ele entregaria a droga para um homem que o aguardava na rodoviária de Cáceres. O comprador o reconheceria pela mochila. Desse modo, ele alegou não saber de quem se tratava.

No hospital, o boliviano disse que receberia 200 dólares pelo transporte. Com o dinheiro, pretendia retornar ao país de origem.

Nesta terça-feira (19), ele foi encaminhado para a cadeia pública de Cáceres. Esse mesmo boliviano já tinha sido preso em 2009 pelo mesmo crime.

Se um dos invólucros se rompesse, o boliviano morreria, segundo o médico perito da Perícia Oficial e Identificação Técnica, Manoel Francisco Campos Neto, que atua em Cáceres.

“Para quem nunca usou droga na vida, uma quantidade bem menor já poderia levar à morte”, explicou. Cada porção tinha aproximadamente 20 gramas de droga. Conforme o médico, tem sido comum a entrada de bolivianos com droga pela fronteira seca.

Jornal Midiamax