Brasil

Arrastão ostentação: suspeitos no RJ expõem cotidiano na web

"Mó 'responsa', meu 'Face' tá passando na TV", escreve adolescente

Midiamax Publicado em 26/09/2015, às 01h15

None
150925150004arrastoesabre624x351facebook.jpg

“Mó ‘responsa’, meu ‘Face’ tá passando na TV”, escreve adolescente

“Mó ‘responsa’, meu ‘Face’ tá passando na TV”, escreve o adolescente J.A., morador da Vila Kennedy (zona norte do Rio de Janeiro), para seus 3 mil seguidores no Facebook. Em minutos, ele comemora mais de 200 curtidas e elogios, tudo graças à reportagem que o mostrava entre os suspeitos dos arrastões no último domingo em praias cariocas. “Os ‘moleque’ estão roubando a cena na Globo!”, “‘Nóis’ passou na Record também”.

Um de seus vizinhos, seguido por mais de 5 mil pessoas, publica uma selfie sem camisa, com o peito coberto por cinco correntes douradas sobrepostas. “Zona Sul é minha vitrine, lá escolho o meu ‘maciço'”, diz, usando gíria comum na região para colares de ouro.

Avessos a entrevistas, mas animados com o alcance midiático dos assaltos, os jovens suspeitos de promover arrastões vêm transformando redes sociais em janelas para seu cotidiano em locais que ocupam o topo das estatísticas de violência no Rio – como Penha, Jacarezinho e Manguinhos.

Em seus perfis e grupos de discussão, eles compartilham fotos de jornais com flagrantes de assaltos (“aceita que dói menos”), imagens aéreas da correria em praias (“olha eu ali de branco”) e registros caseiros de fuzis, carabinas e drogas (“hoje a noite vai ser pesada”). As fotos são tiradas com celulares, em lajes ou pequenos cômodos localizados no eixo mais pobre da cidade, a dezenas de quilômetros da orla.

A distância não é só física: em Ipanema, um dos principais alvos dos arrastões, a renda mensal por morador é de R$ 6 mil e 60% das pessoas têm ensino superior completo, segundo o Atlas Brasil, da ONU. Já no Jacarezinho, de onde vêm muitos dos jovens, a renda per capita não chega a R$ 440 e só 1 em cada 100 moradores completa a faculdade.

De origem desconhecida, a frase “Enquanto não houver justiça para os pobres, não haverá paz para os ricos” se repete em dezenas de perfis ligados aos arrastões.

‘Direito de ir e vir’

À BBC Brasil, em nota, a Polícia Militar fluminense disse que 80 pessoas foram apreendidas na orla da Zona Sul e levadas a delegacias ou abrigos no fim de semana. Depois dos últimos arrastões, o governador do Estado, Luiz Fernando Pezão, e seu secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, defenderam que “jovens suspeitos” sejam impedidos de chegar às praias – contrariando o Ministério Público do RJ, que recomenda apreensões apenas em casos de flagrantes.

“Se tiver um ônibus com adolescentes que não pagaram passagem, que estão descalços, de bermuda, sem documento, leva pra delegacia e os pais vêm buscar”, disse Pezão, prometendo tolerância zero a arrastões. De acordo com Beltrame, “a polícia vai agir de maneira que a população tenha o seu direito de ir e vir garantido”.

Mas para Michel Misse, diretor do Núcleo de Estudos em Cidadania, Conflito e Violência Urbana da UFRJ (Necvu), o principal risco dos arrastões é justamente uma ameaça ao direito de ir e vir – só que da população mais pobre. “Entre 6% e 10% dos moradores de favelas se envolvem com algum tipo de crime. A esmagadora maioria não tem nada a ver com ladrões ou tráfico”, diz o professor, que pesquisa violência há 35 anos.

“O efeito de uma abordagem generalista nos ônibus, sem inteligência policial, será mais uma vez a criminalização de pessoas que já vivem privadas do direito à cidadania”, afirma. “E a polícia carioca nunca esteve preocupada em distinguir entre pobres e bandidos.”

“Não se trata de racismo, mas de vulnerabilidade”, diz Beltrame. “Como um jovem sai de Nova Iguaçu, a 30 km de distância da praia, sem dinheiro para comer, beber, pagar a passagem, só de bermuda?”, indagou em entrevista coletiva.

Jornal Midiamax