Le Blog Maria Antonia

Natal é marcado por iniciativa de inclusão social e solidariedade.

 Foto: Reprodução/ TV Vanguarda     ​Alguém já pensou como é que uma criança surda que ainda não sabe escrever uma cartinha, vai pedir seu presente ao Papai Noel? E mesmo que ela escrevesse, ela iria querer conversar, certo? Encontrei essa matéria emocionante e resolvi compartilhar com vocês.   Leia também: Na noite de Natal, papa compara refugiados a […]

Midiamax Publicado em 13/12/2017, às 14h59

None

 Foto: Reprodução/ TV Vanguarda

​Alguém já pensou como é que uma criança surda que ainda não sabe escrever uma cartinha, vai pedir seu presente ao Papai Noel? E mesmo que ela escrevesse, ela iria querer conversar, certo?

Encontrei essa matéria emocionante e resolvi compartilhar com vocês.

José Mário Graciano, de 68 anos, que já atua há dez como papai noel, há três anos decidiu aprender a língua brasileira de sinais (libras) para atender crianças com deficiência auditiva, para conseguir se comunicar com as crianças, sem restrições.

Natal é marcado por iniciativa de inclusão social e solidariedade. Foto: Reprodução/ TV Vanguarda

“Eu estava preparado para mais um ano como todos os outros, quando fui surpreendido por duas crianças surdas. Eu não sabia o que fazer, não podia fazer com elas o que todo papai noel faz, que é ouvir o pedido. Foi quando fui pesquisar o que podia fazer e descobri o curso de libras”, conta Graziano.

Mais do que sua aparência para o personagem e a afinidade com as crianças, saber libras foi decisivo na hora da contratação do papai noel pelo shopping, segundo a gerência do centro de compras, que pelo primeiro ano tem um Papai Noel inclusivo.

Natal é marcado por iniciativa de inclusão social e solidariedade. (Foto: Reprodução/TV Vanguarda

Natal é marcado por iniciativa de inclusão social e solidariedade. Foto: Reprodução/TV Vanguarda

A aposta está fazendo sucesso e nesta semana ele recebeu a visita de cerca de 30 crianças da Associação de Apoio Ao Deficiente Auditivo (AADA). Para a psicopedagoga da associação, Jussara Alvarenga, a habilidade do papai noel é um passo a mais para a criação de uma sociedade inclusiva. “É tão comum para as crianças irem ao shopping nessa época do ano e fazerem seus pedidos. Isso precisa ser para eles também. Essa comunicação direta não tem preço”, comenta.

Jornal Midiamax